Open main menu

Gramps β

User:Fsmunoz/Tradução Portuguesa

< User:Fsmunoz
Revision as of 12:08, 3 January 2011 by Fsmunoz (talk | contribs) (Página inicial)
(diff) ← Older revision | Latest revision (diff) | Newer revision → (diff)

Objectivo

Esta página destina-se a documentar linhas orientadores, regras e recursos que auxiliem no esforço de tradução do Gramps em português.

Qual português?

O objectivo (ou objetivo :D) é criar uma base sólida que sirva de igual modo as variantes Europeia e Brasileira da língua (pt_PT e pt_BR), evitando tanto quanto possível a divergência por motivos que sejam completamente desnecessários. Tal não significa que não devam existir versões próprias que usem termos e construções próprias de cada variante, apenas que tais adaptações sejam feitas em cima de um tronco comum.

Motivação de um tronco comum

Quando duas pessoas diferentes traduzem uma mesma frase é quase inevitável que o façam de forma ligeiramente diferente, mesmo que falem exactamente a mesma variante. Um exemplo: a frase "I would like to participate in the Portuguese translation effort" pode ser traduzida de variadas formas:

  • Gostaria de participar no esforço de tradução para língua portuguesa
  • Gostava de poder auxiliar no esforço de tradução para português
  • Ficaria feliz em poder ajudar na tradução para português
  • etc.

Nenhuma destas frases é, em sentido estrito, errada, e todas transmitem a mesma ideia. O problema de não coordenar traduções entre pt_PT e pt_BR é que muitas vezes, ao desconsiderar a tradução existente, introduzem-se alterações que não sendo erradas são desnecessárias.

Por outro lado existe um vocabulário próprio e quase técnico de genealogia que convém analisar. Muitas vezes o desconhecimento dos termos em uso pela comunidade de genealogistas pode levar à introdução de termos que são uma tradução literal do inglês quando já existem vocábulos próprios em utilização.

Limites

Existem no entanto termos e construções que são próprias de cada variante e que necessitam como tal de serem considerados. Seria contra-producente tentar criar uma tradução única que não fosse do agrado de nenhuma das partes. Exemplos óbvios são palavras com grafia diferente ("mídia"/"média") ou significado diferente ("apelido"). Para todos esteas casos é necessário considerar a especificidade de cada variante.

Tanto quanto possível este tipo de alterações pode ser feito de forma quase automática, identificando para isso quais os termos em questão. A única excepção são as construções gramaticais diferentes. Estas devem, no entanto, ser reduzidas ao mínimo, adoptando construções que sejam o mais neutras possíveis.


Linhas orientadoras